• REDAÇÃO GM Brasil Notícias

Oeste conta com mais de 20 profissionais das áreas das Engenharias, Agronomia e Geociências


Entre os temas em debate estão acessibilidade, padronização de calçadas, plano diretor e segurança alimentar


Com o objetivo de participar ativamente na sociedade e promover discussões e ações que possam melhorar os mais diversos aspectos de um ambiente cidadão, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) tem 21 representantes na região Oeste que atuam em 19 conselhos, comitês, comissões e grupos de estudo municipais sobre diversos temas. Atuando nas microrregiões de Cascavel, Toledo, Foz do Iguaçu e Medianeira, profissionais das áreas das Engenharias, Agronomia e Geociências representam o Conselho e reforçam a importância da autarquia em discussões relevantes que envolvem desde a acessibilidade nas ruas e obras até a segurança alimentar e nutrição sustentável, por exemplo. Além disso, temas como Plano Diretor, meio ambiente, avaliação de bens imóveis, cidadania empresarial, desenvolvimento rural, calçadas, habitação de interesse social, zoneamento e uso do solo, mobilidade e urbanismo; revisão da planta genérica de valores e preservação da bacia hidrográfica do Paraná também ganham evidência.

Essa atuação, segundo o gerente da regional Cascavel do Crea-PR, Geraldo Canci, é essencial para a integração entre a autarquia e a sociedade. “Esses grupos nos dão a oportunidade de participar e opinar em prol dos cidadãos, fazendo com que os profissionais possam contribuir para a gestão e destinação do crescimento e organização das cidades. A cada ano, portanto, fortalecemos essa participação e percebemos que os efeitos são bastante positivos”, enaltece Canci.

Assim como em outras regiões paranaenses, no oeste, as representações do Conselho se dividem em grupos de trabalho permanentes e temporários. Para o Assessor de Gestão de Políticas Públicas, Engenheiro Civil Samir Jorge, o papel dos representantes é buscar, inicialmente, o combate ao exercício ilegal das profissões, indicando as atividades que são prerrogativas do Sistema Confea/Crea, evitando tomadas de decisões que comprometam a eficiência e a eficácia da atividade proposta.

“Sempre que indicarmos a necessidade da elaboração de estudos básicos para uma determinada área, naturalmente ocorrerá a janela de oportunidade para inserção profissional, como por exemplo, a obrigatoriedade da elaboração de laudo de Inspeção Predial, que virou Lei Municipal em Maringá (Lei Municipal nº 1095/2017). A medida traz melhores condições de segurança aos envolvidos em caso de renovação de alvarás de ambientes comerciais, evitando casos como incêndios em edificações mais antigas ou mesmo queda de marquises”, explica.

Em Foz do Iguaçu, por exemplo, a Engenheira Civil Célia da Rosa representa o Conselho em três comissões: de acessibilidade; de avaliações de bens e imóveis e do Programa Foz Habita. Segundo ela, a atuação é voltada, principalmente, para que a visão técnica dela e de outros profissionais possa colaborar o desenvolvimento equilibrado do município que é conhecido mundialmente pelo turismo.

“É importante a participação dos profissionais da Engenharia, pois o conhecimento técnico auxilia nas aprovações e avaliações de obras novas e reformas, atendendo às normas vigentes. Essa visão técnica é um dos fatores que faz com que haja mudanças nos parâmetros de análise como, por exemplo, no exemplo o Projeto Calçadas que está sendo reformulado em função das mudanças da NBR 9050”, relata a Engenheira Civil.

A Engenheira Civil Ana Carolina Dalmolin, por sua vez, atua em dois grupos específicos de Medianeira: a Câmara Técnica da Mobilidade e do Urbanismo e o COMUR (Conselho Municipal de Uso e Ocupação do Solo Urbano eRural de Medianeira). Segundo ela, essa participação, dentre outros benefícios, também facilita a comunicação entre órgãos públicos e Crea-PR.

“Se tem um representante do Conselho que participa, ele fica por dentro do que está acontecendo na cidade e sabe do planejamento urbano e rural do município. Dessa forma, é mais fácil a interação e comunicação entre todos”, destaca Ana.

Para realização dos trabalhos em conselhos, comitês e comissões municipais, os Engenheiros, Agrônomos e profissionais da Geociências contam com o auxílio dos cadernos técnicos do Crea-PR, produzidos em todo o Estado. São mais de 40 publicações de diversos temas disponíveis no site: https://agendaparlamentar.crea-pr.org.br. Abaixo, seguem a lista da representatividade do Conselho nas microrregiões do Oeste:

Região de Cascavel Comissão Permanente de Acessibilidade Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial Conselho Municipal de Cascavel Conselho Municipal de Meio Ambiente Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Cascavel Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável

Região de Medianeira Câmara Técnica da Mobilidade e do Urbanismo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social COMUR - Conselho Municipal de Uso e Ocupação do Solo Urbano eRural de Medianeira

Região de Toledo Grupo de acompanhamento do Plano Diretor do município Comissão de Análise de proposta da revisão da Planta Genérica de Valores Comitê da Bacia Hidrográfica do Paraná 3

Região de Foz do Iguaçu Comissão Permanente de Avaliação de Bens Imóveis Comissão Permanente De Calçadas Conselho Gestor do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social Conselho da Cidade de Foz do Iguaçu Conselho Permanente de Acessibilidade Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu Comissão Técnica de Zoneamento e Uso do Solo

1 visualização0 comentário
Azul.png
Logo_Rádio_Mundial.png