• REDAÇÃO GM Brasil Notícias

Itaipu contribui com aquisição de equipamento de alta tecnologia para tratamento de câncer


Recurso da binacional contribuiu para compra de acelerador linear, usado nas sessões de radioterapia, para tratamento de pacientes oncológicos do Hospital da Providência, em Apucarana (PR)


Um convênio entre a margem brasileira da Itaipu Binacional e o Hospital da Providência, pertencente ao Grupo Hospitalar Nossa Senhora das Graças, entidade filantrópica de Apuracana (PR), está permitindo que pacientes com câncer que necessitam de radioterapia façam o tratamento em um acelerador linear. O equipamento de alta tecnologia evita o deslocamento dos doentes para outras regiões do Estado e reduz o tempo de espera para este tipo de tratamento, que chegava a ser de quatro meses, segundo a diretoria do hospital.


O atendimento do Serviço de Radioterapia do Hospital começou no dia 27 de janeiro. Onze pacientes, dos municípios de Apucarana, Mauá da Serra e Marilândia do Sul, já passaram por consulta inicial com médico radioterapeuta. Dois deles já iniciaram o tratamento, tendo sido realizadas, até o momento, 11 sessões de radioterapia.


O investimento de Itaipu foi de R$ 5 milhões. O coronel Aureo Ferreira, assessor especial do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, explica que esse convênio foi assinado em 2018 e finalizado agora. Embora esteja fora da área de influência, ele contribui efetivamente para melhorar o serviço oferecido por uma entidade já reconhecida pela excelência do tratamento oferecido. “Isso também traz um benefício indireto para os hospitais de referência da Amop [Associação dos Municípios do Oeste do Paraná], porque os pacientes locais, que antes eram deslocados para essas unidades, poderão ser atendidos no próprio Hospital da Providência”, afirmou o coronel.


Para o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, "esse convênio vai permitir um tratamento mais efetivo para pacientes que estão lutando pela vida".


Referência

O hospital é hoje referência para 17 municípios da região, responsável por mais de 18.500 atendimentos por ano. Deste total, 85% são pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).


Até agora, a unidade hospitalar oferecia os serviços de quimioterapia, hormonioterapia e tratamento cirúrgico aos pacientes oncológicos. Faltava o tratamento radioterápico para a entidade, que já é reconhecida pelo Ministério da Saúde como “de Alta Complexidade em Oncologia”.


“A concretização deste projeto irá beneficiar de forma direta todos estes pacientes, sendo de grande importância para toda a região”, afirmou a irmã Geovana Aparecida Ramos, diretora-geral do hospital. “Com aquisição deste equipamento iremos absorver toda a demanda da 16ª regional e de outras regionais sobrecarregadas na atualidade com a demanda de pacientes que no cenário atual vem aumentando gradativamente”, completou.


No momento, o serviço de radioterapia está com a agenda aberta para atendimento de pacientes dos 17 municípios que compõem a 16ª Regional de Saúde: Apucarana, Arapongas, Bom Sucesso, Borrazópolis, Califórnia, Cambira, Faxinal, Grandes Rios, Jandaia do Sul, Kaloré, Marilândia do Sul, Marumbi, Mauá da Serra, Novo Itacolomi, Rio Bom, Sabáudia e São Pedro do Ivaí.


Também são aceitos pacientes dos 16 municípios da 22ª Regional de Saúde: Ivaiporã, Arapuã, Ariranha do Ivaí, Cândido de Abreu, Cruzmaltina, Godoy Moreira, Jardim Alegre, Lidianópolis, Lunardelli, Manoel Ribas, Mato Rico, Nova Tebas, Rio Branco do Ivaí, Rosário do Ivaí, Santa Maria do Oeste e São João do Ivaí.


O que são os aceleradores lineares

Segundo o Ministério da Saúde, os aceleradores lineares produzem uma forma de radiação, a partir de corrente elétrica, que são dirigidas para o tecido que se deseja tratar, promovendo a destruição do mesmo.


Uma das vantagens é o tempo de tratamento, na ordem de 15 minutos, e do intervalo entre os pacientes. Desta forma, mais pessoas podem ser atendidas diariamente.


Mais saúde

Os investimentos de Itaipu em saúde têm sido possíveis na gestão do general Joaquim Silva e Luna graças ao remanejamento de ações sem aderência à missão da empresa, como na revisão de patrocínios. Com isso, os recursos são remanejados às atividades que deixam legado à população, inclusive na saúde.


Em 2020, a margem brasileira da usina repassou quase R$ 30 milhões em ações de combate à covid-19. O valor inclui um aporte ao Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), de Foz do Iguaçu, um convênio com o governo do Estado para contratação de bolsistas da área de saúde em todo o Paraná, e capacitação de guias de turismo – entre outras medidas. Todas as ações seguem as diretrizes do governo federal para ajudar os públicos mais vulneráveis.


Ao longo do ano, Itaipu também repassou recursos por meio do auxílio eventual, ampliado para R$ 5,5 milhões para contemplar entidades assistenciais, sem fins lucrativos, e que sofreram impacto econômico causado pela pandemia de covid-19. O valor é mais de três vezes superior ao previsto antes da crise sanitária. Os recursos já beneficiaram quase 30 mil pessoas, direta ou indiretamente, em municípios do Oeste do Paraná.


Em Foz do Iguaçu (PR), sede da usina, a empresa também assumiu o compromisso de repassar R$ 3,2 milhões ao Lar dos Velhinhos, única instituição da cidade de acolhimento de idosos sem custo aos beneficiários, representando mais qualidade de vida para esta comunidade.

0 visualização0 comentário
Logo_Rádio_Mundial.png